sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Lisbonne, Je t'aime





Quando amanhece em Lisboa
E brilha o Tejo dourado
Tão bem que a gaivota soa
Contigo mesmo a meu lado

E o sol vai-se mostrando sem pudor
Sob a ponte ao fundo ainda ensonado
Na cidade eterna, fruto do nosso amor
Para sempre Lisboa, para sempre o nosso fado

Marcos Sobral

sábado, 4 de setembro de 2010

Linhas de Alfama




Havia um homem em Alfama
Que deambulava viela em viela
De noite escondia-se na cama
De dia fazia por não pensar nela

Marcos Sobral